E-commerce brasileiro faturou R$ 18,7 bilhões em 2011

Nesta terça-feira (13/03) a 25ª edição do Webshoppers – relatório semestral gratuito elaborado pela e-bit que analisa a evolução do comércio eletrônico – revelou novos números sobre o e-commerce brasileiro. De acordo com a empresa, em 2011, o comércio eletrônico no país faturou R$ 18,7 bilhões, um aumento de 26% em relação ao ano anterior. Ainda em 2011, cerca de 9 milhões de pessoas passaram a fazer compras virtualmente, sendo que, deste total, 61% pertenciam à classe C. Com este aumento, o Brasil possui agora cerca de 32 milhões de consumidores que compraram, pelo menos uma vez na vida, pela internet.

O estudo também revelou que o valor médio de cada compra foi de R$ 350 e que houve uma ascensão nas vendas de roupas e acessórios de moda. Segundo o diretor geral da e-bit, Pedro Guasti, esta categoria era pouco procurada pelos internautas pela necessidade de experimentar as peças antes da compra. No entanto, os varejistas começaram a trabalhar esta questão, desenvolvendo métodos alternativos para que os consumidores confirmassem o tamanho da peça, e os resultados começaram a aparecer. As Lojas Marisa são um exemplo disso. No ano passado, a varejista apresentou aos internautas um sistema que indica o tamanho adequado de cada peça, conforme as medidas do corpo do cliente. Junto do segmento de moda no ranking das cinco categorias mais vendidas também estão os eletrodomésticos, informática, eletrônicos, cosméticos e perfumaria.

O relatório ainda trouxe informações sobre o mercado de compras coletivas, que, apesar de novo, já começa a se estruturar e amadurecer. Em 2011, o número de pessoas que aderiram a essa modalidade chegou a 9,98 milhões. Foram realizados 20,49 milhões de pedidos e o faturamento ficou em R$ 1,6 bilhão. O perfil dos consumidores desse segmento também está contemplado no estudo e aponta que o público de compras coletivas é majoritariamente feminino. “A explicação está no fato de que muitos dos produtos e serviços oferecidos são atrativos ao universo feminino. Além disso, a forte presença delas em redes sociais contribui para esse avanço”, afirma a diretora de negócios da e-bit, Cris Rother.

Futuro do e-commerce

De acordo com a e-bit, em 2012, o comércio eletrônico deve continuar crescendo no mesmo ritmo de 2011. A previsão é que até o fim do ano o segmento atinja um faturamento de R$ 23,4 bilhões, o que representaria um aumento de 25% em relação a 2011.  Só no primeiro semestre, período em que historicamente acontecem 45% das vendas do ano, são esperados R$ 10,4 bilhões. No entanto, embora o mercado interno esteja aquecido, a crise na Europa e a redução no ritmo de crescimento da China podem gerar algum reflexo negativo no varejo.

Fonte: Olhar Digital

Share
Esta entrada foi publicada em Sem categoria. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta